sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Como Assim?

As pessoas são engraçadas.
Te olham, te analisam e conceituam.
Mas não fazem o fundamental.
Auto análise.
Eu mesma poderia conceituar uma série de pessoas por atos, atitudes e gestos sem mesmo conhece-las, mas se eu fizesse com que direito?
Não somos livres?
Infelizmente não.
A sociedade é tão patética em sua vigilância que não faz outra coisa.
Por que somos vigilantes?
Quem nos deu essa autoridade?
Talvez o egoísmo, o individualismo, a falta de respeito, a falta de amor primeiramente com você e depois com seu semelhante.
A convivência merece mais. Somos humanos. Merecemos viver bem.
Talvez um bom dia, uma boa tarde e muito obrigada.
Os tais termos Liberdade, Igualdade e Fraternidade onde estão frente a esse mundo de vigilância?
Se alguém fecha outro no trânsito evoco direitos, agora se o contrário se dá a indiferença surge.
“É preciso amar como se não houvesse amanhã”
Já dizia Renato Russo.
O humano cordial representa este ideal
Em vez de patrulhar a vida alheia seja gentil!
Seja tudo que os outros esperam de você!
Assim irá perceber a vida com mais leveza
Sem tantas convenções.
Para que tantos rapapés se elas só inibem a espontaneidade do sorriso e a delicadeza do olhar respeitoso que vê o outro.
A espiritualidade não pode ser expressa apenas em datas comemorativas.
Temos que nos importar com o outro todos os dias.
Sorriam meus amigos.
Somos felizes. Estamos aqui para isso.

Responsabilidade Afetiva

Por Helena Ferreira Deixa eu falar agora sobre responsabilidade afetiva. Você sabe o que significa? Você tem? Veja só: se você co...